Conteúdo de Marca: 3 ciladas para não cair

Conteúdo de Marca: 3 ciladas para não cair

Escrito por Criável

Conheça os erros mais comuns cometidos por marcas de Moda que querem crescer nas redes sociais

Por aqui, a gente tem falado muito sobre a relação entre Branding x Instagram e em como a produção de conteúdo autoral nas redes sociais pode ajudar uma marca a decolar, se estabelecer no mercado, encontrar seu público e ter relações mais verdadeiras com a sua comunidade.

 

Mas, como no último Workchoque, a gente já deu todas as dicas sobre o que fazer, hoje a gente tá aqui pra te contar o que não fazer – ou melhor, em quais ciladas não cair. 3 erros clássicos que nós vemos diversas marcas cometendo e que podem estar bloqueando o seu sucesso. Bora lá?

 

#1 Querer acertar de primeira

 

É muito raro um conteúdo bombar ou uma conta “explodir” da noite pro dia. Em geral, quando isso acontece, é porque há um trabalho de formiguinha sendo feito há semanas, meses ou anos. [email protected] [email protected] esperam encontrar a voz ou as editorias de conteúdo da sua marca logo no primeiro post. Mas a verdade é que talvez você precise fazer 20, 50, 100 posts até de fato encontrá-los.

 

Presta atenção nessa história. A título de pesquisa, uma universidade separou seus alunos de fotografia em dois grupos. No primeiro, cada integrante deveria tirar 100 fotos com o que encontrasse no seu entorno, sem qualquer suporte adicional. Já no segundo, cada um teria direito a uma única foto, mas poderia escolher cada detalhe da produção, como modelos, cenário, iluminação, etc. 

 

Você consegue adivinhar quem teve melhores resultados?

 

Sim, o primeiro grupo. E sabe por que? Porque a gente aprende fazendo, a criatividade chega quando estamos em movimento, e ainda que a gente ache que está nas condições perfeitas para produzir algo relevante, nosso melhor recurso criativo sempre será a experiência.

 

Então se você anda meio [email protected] porque os seus posts tem flopado, ou porque você ainda não encontrou a linguagem certa para a sua marca, fica [email protected] Aproveite para experimentar conteúdos diferentes e curtir o processo. Já já você chega lá!

 

#2 Só produzir conteúdo pensando na conversão 

 

Esse, talvez, seja o erro mais comum. Hoje o conteúdo serve, sobretudo, para gerar valor e criar comunidade. É claro que a venda é importante, afinal, é ela quem sustenta diretamente o seu negócio. Mas há muitas outras formas das pessoas apoiarem a sua marca para além de uma compra – e isso é muito valioso!

 

Aliás, se você está abrindo uma marca, porque você não começa a produzir conteúdo proprietário antes mesmo de lançar seus primeiros produtos? Assim você já terá uma – ainda que pequena – audiência interessada no que você tem para contar quando estiver [email protected] para vender. 

 

Como a gente conversou no nosso último ao vivo da série #ÔdeCasa, a Sallve, neomarca brasileira de skin care, já produzia conteúdo há cerca de um ano quando lançou o seu primeiro produto, uma vitamina C. Essa também é uma excelente forma de começar com poucos itens, já que ela te possibilita validar cada novo produto (ou serviço) com a sua comunidade antes de colocá-lo no mundo.

 

#3 Fazer sempre mais do mesmo com medo do flop ou do cancelamento

 

Pode ter certeza, fazer o que todo mundo já está fazendo não vai te ajudar em nada. Tudo bem se o seu conteúdo permear algumas pautas populares nas redes sociais como autocuidado ou astrologia. Até porque o mais importante, na nossa opinião, não é necessariamente o “o quê você vai falar”, mas o “como você vai falar”. Mas simplesmente copiar o que já está bombando, sem qualquer autenticidade ou autoridade no assunto, é cilada – e das grandes.

 

Se o seu medo é do flop, volte para o erro #1 desse post. Mas se o seu medo é do cancelamento, nós temos 2 argumentos importantes para dividir.

 

Faça com respeito, com cuidado, com atenção. 

 

Leia e releia o seu post tendo em mente que liberdade de expressão e opressão são coisas beeem diferentes. Ao invés de impor suas ideias, use a linguagem da sugestão, incluindo expressões como “experimente”, “qual tal”, “uma ideia é…”. 

 

E, além disso, se acostume a sempre pedir a opinião da sua comunidade.

 

Finalize seus posts com “me conta o que você achou”, “você concorda?”, deixando um espaço em aberto para que as pessoas que te acompanham se sintam convidadas a participar. E se levar uma crítica, segura a onda. Não reaja impulsivamente. Escute.

 

Para pra pensar. Se uma pessoa parou 5 ou 10 minutos da vida dela para te dar um toque, de graça, isso é muito bacana. Aproveite cada comentário, ainda que negativo, como uma oportunidade de (des)construção. Haters podem surgir eventualmente. Mas isso não significa que crítica = discurso de ódio, tá?

 

Curtiu esse conteúdo?

 

Então não deixa de baixar o nosso report gratuito “12 marcas que dão aula de Branding nas suas plataformas digitais” clicando aqui.

 

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *